Sexta-feira, 27 de Outubro de 2006

DUAS PÁGINAS DE «IL MONELLO DI DIO»

 Il Monello di Dio - O Garoto de Deus - é uma autobiografia do Pe. Humberto Pasquale. Quem quase só o conhecia do seu trato com a Beata Alexandrina, depois de a ler,  fica a ter dele uma perspectiva muito mais ampla. Os episódios que se transcrevem não estão muito longe doutros que se conhecem de Balasar.

  

O PODER DE S. JOSÉ

 

Doze mil escudos

O tormento duma factura a pagar

 

Na nova construção (em Mogofores) era preciso colocar a canalização da água para os quartos de banho e para a cozinha. Chamei uma firma de Coimbra que examinou o trabalho a fazer, tomou as medidas e prometeu man­dar o orçamento.

A quantia apresentada era muito elevada porque o material tinha de ser comprado na Bélgica. Aconselhei a simplificar a instalação, mas a firma insistiu concedendo um bom adiamento para o pagamento. Começaram logo os trabalhos.

 

Poucos dias depois, chegou a factura com o pedido de pagamento dentro de quinze dias justificando com vários motivos.

Aquela factura de 12.000$00 posta em cima da minha secretária atormentava-me, pois naquele tempo era uma grande soma.

Tive uma inspiração. Desci à Capela (vivíamos ainda na Casa velha) e tirei do seu pedestal a imagem de S. José; levei-a para o quarto e pu-la dentro do armário onde, entre a naftalina, conservávamos as cobertas para o período de Inverno: «Ficarás aqui – disse ao Santo – enquanto me não tiveres ajudado a pagar a grande dívida».

Durante a refeição, o noviço encarregado da Capela veio-me dizer que tinha desaparecido da Capela a imagem de S. José.

Muito seriamente disse-lhe: «A culpa é tua, pois deixas sempre a porta aperta que dá para a estrada. Quando escreveres aos teus pais, pede dinheiro para comprar outro S. José».

O noviço, Bonomelli, era originário de Bérgamo.

Passaram três dias e uma boa senhora veio trazer-me um envelope, desculpando-se da pequena oferta. Chegado ao meu escritório, abria-a e, com minha maravilha e alegria, retirei o conteúdo. Eram 15.000$00!

Corri logo ao quarto guarda-roupa, abri o armário e exclamei a S. José: «Percebi o que te incomoda! É o cheiro da naftalina! Levo-te para o teu lugar na Igreja, mas está atento que não aconteça outra vez!»

Quando, depois do exame de consciência, os noviços entra­ram no refeitório, Bonomelli correu até mim radiante: «Padre-mestre, S. José voltou, está de novo na Capela».

Eu pus-me a rir... mas não disse nada sobre o que tinha acontecido, acrescentei apenas: «Agradece-lhe reconhecido, pois se não fosse assim, teriam de pagá-lo os teus parentes de Bérgamo».

 

A guerra e a fome

 

Quando rebentou a guerra, por graça de Deus Portugal não foi envolvido na tragédia, mas sofreu muito pela falta de víveres. Em Casa tinha umas oitenta bocas a alimentar.

No início daquela carestia, recordo-me de ter posto ao pescoço da imagem de S. José dois saquinhos cheios de farinha dizendo-lhe: «Caro S. José, pensa tu em não deixar que faltem os víveres a toda a comunidade».

Não saberia dizer quantas vezes da camioneta que tra­nsportava gente das várias freguesias para a estação ou para a sede do Concelho de Anadia foram descarregados junto à porta do nosso Instituto, sacos cheios de víveres: batatas, cebolas, azeite, verdura, fruta. Ainda hoje não sei quem foram aqueles benfeitores anónimos.

 

Mas um facto que tem o seu quê de extraordinário aconteceu no Dia de Ramos de 1942. Era meio-dia e tocou a campainha que chamava a Comunidade para o almoço. Ao mesmo tempo, tocou a da portaria. Fui eu mesmo abrir: estavam ali duas irmãs, bastante idosas, que eu conhecia e que moravam em Famalicão de Anadia. Cada uma trazia à cabeça um grande cesto coberto com um pano branco. Depois dum respeitoso cumprimento explicaram-me: «Viemos cumprir uma promessa. Desde há alguns meses não tínhamos notícias dum nosso sobrinho que é militar nos Açores. Preocupadas com o seu silêncio, prometemos que logo que soubéssemos que estava vivo, daríamos à vossa Casa duas fornadas de pão. Ontem recebemos uma carta do sobrinho, com boas notícias e estamos aqui com o prometido». Fi-las entrar e acompanhei-as à despensa através do refeitório.

 

Chamei o irmão encarregado para ajudar as duas senhoras a descarregar os cestos. Logo que o irmão descobriu os dois cestos exclamou: «Mas isto é um milagre!»

Maravilhado com aquela exclamação perguntei-lhe:

- Milagre, porquê?

- Padre-mestre, não viu, ao passar no refeitório, que nas mesas não há pão? Estamos sem ele desde o pequeno-almoço desta manhã!

- E não me disseste nada?

- Não falei para não o incomodar.

No regresso, passamos pelo refeitório a caminho da portaria enquanto os nossos alunos entravam a comer a refeição com o pão enviado sem dúvida por S. José.

 

 

     Maria Rita Scrimieri (org.), Il Monello di Dio, pp. 62-63

Publicado por Alexandrina de Balasar às 12:25

link da mensagem | Adicionar aos favoritos
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


- Pesquisar neste blog

 

- Fevereiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
19
21
22
23
24
26
27
28

- Mensagens recentes

- A ICONOGRAFIA DE CRISTO N...

- TRADUÇÃO PARA CHECO

- MAIS VÍTIMAS DA REPÚBLICA...

- RECENSÃO SOBRE O OPÚSCULO...

- A EDIÇÃO AMERICANA DO OPÚ...

- VÍTIMAS DA REPÚBLICA NA P...

- ICONOGRAFIA DE CRISTO

- OS PAÍSES QUE ESTÃO NO TO...

- O PÁROCO DA ALEXANDRINA N...

- RESPEITO DA ALEXANDRINA P...

- Arquivos

- Fevereiro 2010

- Janeiro 2010

- Dezembro 2009

- Novembro 2009

- Outubro 2009

- Setembro 2009

- Agosto 2009

- Julho 2009

- Junho 2009

- Maio 2009

- Abril 2009

- Março 2009

- Fevereiro 2009

- Janeiro 2009

- Dezembro 2008

- Novembro 2008

- Outubro 2008

- Setembro 2008

- Agosto 2008

- Julho 2008

- Junho 2008

- Maio 2008

- Abril 2008

- Março 2008

- Fevereiro 2008

- Janeiro 2008

- Dezembro 2007

- Novembro 2007

- Outubro 2007

- Setembro 2007

- Agosto 2007

- Julho 2007

- Junho 2007

- Maio 2007

- Abril 2007

- Março 2007

- Fevereiro 2007

- Janeiro 2007

- Dezembro 2006

- Novembro 2006

- Outubro 2006

- Setembro 2006

- Agosto 2006

- Julho 2006

- Junho 2006

- Maio 2006

- Links

- subscrever feeds