Quarta-feira, 30 de Maio de 2007

ORAÇÃO LITÚRGICA

Embora me pareça que não há ainda textos aprovados para uso litúrgico na comemoração da Beata Alexandrina, transcrevo aqui esta colecta que encontrei numa página salesiana (http://www.sdb.org/ENG/doc/Alessandrina-colletta-en.doc):

 

Beatæ Alexandrinæ Mariæ da Costa

13 octobris

Collecta

Miericors Deus,

qui Ecclésiam tuam beatae Alexandrínæ Maríæ exémplo

Passióni Fílii tui árctius coniúnctæ illustráre dignátus es,

ut tam cultus Eucharistiae quam devotio ad Cor Immaculatum Mariae

in singulis mundi regionibus inflammarentur,

concéde nobis ut, eius intercessióne,

tabernáculum Spíritus Sancti

et veri testes tuae caritátis éffici valeamus.

Per Dominum.

 

 

ITALIAN

 

Dio misericordioso,

che hai fatto risplendere nella Chiesa

l’esempio della beata Alessandrina Maria,

intimamente unita alla Passione del tuo Figlio,

perché in ogni parte del mondo si accendessero

il culto eucaristico e la devozione al Cuore Immacolato di Maria,

concedi a noi, per sua intercessione,

di diventare dimora dello Spirito Santo

e testimoni autentici del tuo amore.

Per il nostro Signore Gesù Cristo, che è Dio

che vive e regna con te, nell’unità dello Spirito Santo,

per tutti i secoli dei secoli.

 

 

ENGLISH

 

Merciful God,

you have adorned your Church

    with the example of Blessed Alexandrina Maria,

who was so intimately united

    to the passion of your Son,

so that in every part of the world

the worship of the Eucharist

    and devotion to the Immaculate Heart of Mary

    might be enkindled.

Through her intercession

grant that we may become dwelling places

    of the Holy Spirit

and authentic witness of your love.

We ask this through our Lord Jesus Christ, your Son,

who lives and reigns with you

in the unity of the Holy Spirit,

God, forever and ever. Amen.

Publicado por Alexandrina de Balasar às 21:58

link da mensagem | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Terça-feira, 29 de Maio de 2007

EPISÓDIO EXTRAORDINÁRIO

No Processo Diocesano o Dr. Azevedo contou este extraordinário episódio, pouco conhecido e acontecido certamente perto dos anos 50: 

Quando visitava a Alexandrina e lhe dizia que ia embora, sempre me disse que ficasse mais um pouco. Mas aconteceu que num domingo, tendo combinado com o Sr. Sampaio da Trofa ir de visita à Alexandrina, por motivos profissionais, fui obrigado a chegar mais tarde. Quando cheguei junto da Igreja de Balasar, encontrei o condutor do Sr. Sampaio que me disse que não poderia demorar-me porque o carburador do automóvel do Sr. Sampaio tinha partido, a gasolina se perdera e que eu teria de levar gente do Sr. Sampaio à estação de Famalicão.

Respondi-lhe que sim, e quando cheguei à casa da Alexandrina, disse-lhe e aos familiares: «Afinal cheguei mais tarde, mas tenho já de partir, e daqui a pouco, porque tenho de levar a gente do Sr. Sampaio à estação de Famalicão, porque o carburador do automóvel do Sr. Sampaio, como me disse o condutor, o Chiquita, partiu».

O Sr. Sampaio disse, «está bem», mas a Alexandrina respondeu-me que não seria preciso ter tanta pressa, porque o automóvel andaria. «Como pode andar o automóvel, disse-lhe, se o carburador está partido?»

Ela sorriu e disse que poderia andar. Pensámos, ou pensei, que estivesse a brincar, o facto é que pouco depois saímos convencidos de que tivesse de fazer aquelas duas viagens.

Chegados junto do automóvel, disse ao condutor para sair do carro, que nós o empurraríamos até à casa próxima, onde ficaria estacionado. Ficámos maravilhados vendo que o motor começava a trabalhar e rindo fomos dizer aos que tinha vindo naquele automóvel que saíssem para ir para casa. Foi um pecado que não controlássemos a gasolina do automóvel, pois antes o condutor tinha-nos dito que o carburador não a retinha.

Viajámos até Sitães, onde parou o carro do Sr. Sampaio. Saí do meu e aproximei-me do do Sr. Sampaio para lhe dizer que andassem sempre e disse ao condutor: «Afinal o carro anda!»

Este carro veio até uma casa da Trofa, que está na margem esquerda do rio Ave. O carro parou neste lugar para ser guardado na casa, como era costume. Depois das pessoas saírem, o condutor tentou pô-lo a andar, mas não conseguiu. Olhámos o motor e de facto o carburador estava partido e por isso tivemos de empurrá-lo até à garagem.

Depois contei o caso à Alexandrina, que me não disse nada, só me respondeu com um sorriso. 

Publicado por Alexandrina de Balasar às 18:36

link da mensagem | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Quarta-feira, 23 de Maio de 2007

MIRABILE AMORE, IL SUO!

Mirabile Amore, il suo! (Admirável Amor, o Seu!) é o título do novo livro da Prof.ª Eugénia Signorile, ainda só em suporte digital. Constituem-no quatro partes:

Parte I – Como Jesus ama

Parte II – Como a Alexandrina ama

Parte III – Amor mútuo entre Jesus e a Alexandrina

Parte IV – Como a Mãe ama

Dentro de alguns dias esperamos colocá-lo em linha.

 

Ícone da Beata Alexandrina está pronto 

Veja-se este fragmento duma mensagem do P.e Pier Luigi, que nos chegou hoje:

 

Oggi la cara Domenica Ghidotti ha portato l'icona della Beata Alexandrina per la Parrocchia di Balasar.
E' una cosa bella resa più dolce dal fatto che siamo alla vigilia della Festa di Maria Ausiliatrice.

Publicado por Alexandrina de Balasar às 19:40

link da mensagem | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Terça-feira, 22 de Maio de 2007

A BEATA ALEXANDRINA E A II GUERRA MUNDIAL

Os escritos da Beata Alexandrina de antes e do tempo da II Guerra Mundial  falam repetidamente daquele flagelo. O webmaster do Sítio Oficial, Afonso Rocha, estudou o tema e redigiu sobre ele um extenso artigo. Veja e o comente: http://alexandrinabalasar.free.fr/alexandrina_e_a_guerra_1.htm

Publicado por Alexandrina de Balasar às 15:16

link da mensagem | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Domingo, 13 de Maio de 2007

«ALEXANDRINA APÓSTOLA DA EUCARISTIA A DEVOÇÃO DAS 1.AS QUINTAS-FEIRAS»

A publicação dum bom livro é sempre de saudar. Umas palavras sobre o que o P.e Dário Pedroso dedicou à nossa Beata já aqui deviam ter aparecido há semanas.

A devoção das Primeiras Quintas-Feiras foi recomendada por Jesus e insere-se o mais claramente possível no espírito que perpassa a vida da Alexandrina e a sua obra: ela considerava a quinta-feira o seu dia e deixou escritos muito belos sobre a Eucaristia: ela foi a «Vítima da Eucaristia».

O que este livro se propõe, como já fora feito em Adoratori di Gesù, é ajudar a passar do modo mais produtivo a hora de adoração frente ao Santíssimo incluída no pedido de Jesus.

Depois duns breves capítulos introdutórios, ele inclui sucessivamente: «A Devoção da Primeiras Quintas-feiras», «Textos sobre a Eucaristia» e «Devocionário».

Em princípio, a primeira destas partes já bastava para ajudar a viver as primeiras quintas-feiras; mas as outras duas enriquecem muito o livro, tanto mais que nas nossas comunidades há pouco hábito de leitura de tema religioso e a selecção inclui certamente o que há de melhor: textos oficiais na segunda parte e um conjunto de orações eucarísticas em verso livre na terceira. Isto é, há ali muito e variado material de meditação para aquela hora de companhia ao Prisioneiro do Sacrário, que tanto deseja que Lhe abreviem os momentos de solidão, até porque é dali que tudo o que há de bom vem ao mundo.

Vejam-se estes seus apelos:

 

Longe do céu, longe de Jesus está todo aquele que está longe do sacrário.

Eu quero almas, muitas almas verdadeiramente eucarísticas. (...)

Pobres daqueles que não querem conhecer e amar o Senhor do sacrário! Pobres daqueles que não querem ver com aquela luz que produz o sacrário! (...) S (11-9-53)

 

Estou aqui (no sacrário) só por amor.

Os homens não compreendem este amor.

Estou aqui para ser alimento e vida.  

Os homens não querem alimentar-se e viver a minha vida! S (26-11-54)

 

Estou ali no sacrário naquela Hóstia pura, em Corpo, Alma e Divindade (...)

Venham com os seus corações puros, muito puros e sequiosos!

Se vierem ao sacrário nas devidas disposições e rezarem o Rosário, ou uma parte dele, todos os dias, de mais nada mais é preciso para que se afaste a justiça de Deus.

O Rosário, o sacrário e as minhas vítimas, a vítima deste Calvário, são o suficiente para que ao mundo seja dado o perdão e a paz.

Quem vem ao sacrário vive puro.

Quem vive à sombra de minha Mãe bendita, vive da sua pureza.

E assim a humanidade vive a vida nova, pura, santa, neste quartinho tantas vezes recomendada por Mim. S (10-12-54)

Publicado por Alexandrina de Balasar às 12:15

link da mensagem | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Sexta-feira, 11 de Maio de 2007

A BEATA ALEXANDRINA E O BRASIL

O Brasil representou muito para a Beata Alexandrina. Vejam-se algumas considerações sobre este tema: http://alexandrinabalasar.free.fr/beata_alexandrina_e_o_brasil.htm

Frente ao quintal da casa Alexandrina, do outro lado da estrada, está a ser construído um estacionamento: óptima ideia.

Na próxima terça-feira vêm a Balasar lá para 100 (!) franceses (que estão actualmente em Fátima).

Publicado por Alexandrina de Balasar às 23:20

link da mensagem | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Terça-feira, 8 de Maio de 2007

NA ONDA DA EUCARISTIA COM A BEATA ALEXANDRINA

Ontem foi colocado no site um trabalho com o título de «Na onda da Eucaristia com a Beata Alexandrina». A ideia que o organiza é bem simples: envolver na onda da Eucaristia todo o arciprestado a que a Alexandrina pertenceu. Por isso, todas as paróquias desta circunscrição católica têm ali (http://alexandrinabalasar.free.fr/na_onda_index.htm) uma página, com a fotografia da sua igreja paroquial, com uns trechos da Beata e uma breve nota histórica.

A pintura da cópia do ícone da Alexandrina que há-de vir para Balasar está adiantada; em andamento está também o opúsculo que o explica.

Publicado por Alexandrina de Balasar às 13:44

link da mensagem | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Quinta-feira, 3 de Maio de 2007

DE TODOS OS CONTINENTES

O Sítio Oficial recebeu em Abril cerca de 500 visitas mais que no mês precedente – aumento de aproximadamente um quarto – numa tendência ascendente que vem a ser notória desde Janeiro.

Portugal desceu percentualmente, para 42,85%, subindo com certeza em termos reais; o Brasil subiu para 19,87%; a França subiu também, para 14,26, e os EUA estabilizaram (em 8,7%). Subiram ainda ligeiramente a Grã-Bretanha e a Espanha; a Itália, por sua vez, desceu.

Houve visitas de todos os continentes: Europa (Portugal, Espanha, França, Itália, Grã-Bretanha, Suíça, Alemanha, Polónia, Eslováquia, Dinamarca, Croácia, Bélgica, Países Baixos e Roménia; Américas (EUA, Canadá e Haiti; México e Costa Rica; Brasil, Venezuela e Chile); África (Egipto, Angola e Marrocos); Ásia (Macau e Arábia Saudita); e Oceânia (Austrália).

Quem abrir a página de entrada do Sítio Oficial, verifica que há lá várias novidades, como convém neste Mês de Maria.

Publicado por Alexandrina de Balasar às 15:29

link da mensagem | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Quarta-feira, 2 de Maio de 2007

«JORROS INCANDESCENTES» EM INGLÊS

Está já feita uma primeira tradução para inglês dos Jorros Incandescentes, o último e tão interessante opúsculo da Prof.ª Eugénia Signorile. É de crer que até se chegar à versão definitiva ainda passem algumas semanas, esperemos que poucas.

Publicado por Alexandrina de Balasar às 14:43

link da mensagem | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Terça-feira, 1 de Maio de 2007

EX-VOTOS DA SANTA CRUZ EM BALASAR

Vão estar em Balasar, quando da vinda do Ícone da Beata Alexandrina, na segunda metade de Junho, os ex-votos da Santa Cruz que se guardam no Museu Municipal. Sobretudo um deles é um notável documento histórico, por nos levar para o ano de 1834, um ano de guerra civil, de revolução e de natural desorientação. Veja-se aqui informação sobre o pároco de Touguinhó, a que ele se refere: http://pt.wikipedia.org/wiki/Cust%C3%B3dio_Jos%C3%A9_de_Ara%C3%BAjo_Pereira

Segundo o Boletim Cultural poveiro, vol. XXXIV, de 1998-99, p. 188, a cruz processional de Balasar (de prata, ferro e madeira, com a altura de 107 cm e largura de 40,5) vem do «séc. XVII (?)». Esta indicação parece querer apenas dizer que, com segurança, se pode afirmar que ela ou é do séc. XVII ou anterior. Se calhar, é mesmo anterior. Ela vem fotografada na p. 191. Na página anterior, vem um «baldaquino de sacrário», de Balasar, de madeira e em talha dourada, com as dimensões de 218×11 cm, que é o (impropriamente dito) sacrário da Beata Alexandrina.

Publicado por Alexandrina de Balasar às 12:48

link da mensagem | Comentar | Adicionar aos favoritos
|

- Pesquisar neste blog

 

- Fevereiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
19
21
22
23
24
26
27
28

- Mensagens recentes

- A ICONOGRAFIA DE CRISTO N...

- TRADUÇÃO PARA CHECO

- MAIS VÍTIMAS DA REPÚBLICA...

- RECENSÃO SOBRE O OPÚSCULO...

- A EDIÇÃO AMERICANA DO OPÚ...

- VÍTIMAS DA REPÚBLICA NA P...

- ICONOGRAFIA DE CRISTO

- OS PAÍSES QUE ESTÃO NO TO...

- O PÁROCO DA ALEXANDRINA N...

- RESPEITO DA ALEXANDRINA P...

- Arquivos

- Fevereiro 2010

- Janeiro 2010

- Dezembro 2009

- Novembro 2009

- Outubro 2009

- Setembro 2009

- Agosto 2009

- Julho 2009

- Junho 2009

- Maio 2009

- Abril 2009

- Março 2009

- Fevereiro 2009

- Janeiro 2009

- Dezembro 2008

- Novembro 2008

- Outubro 2008

- Setembro 2008

- Agosto 2008

- Julho 2008

- Junho 2008

- Maio 2008

- Abril 2008

- Março 2008

- Fevereiro 2008

- Janeiro 2008

- Dezembro 2007

- Novembro 2007

- Outubro 2007

- Setembro 2007

- Agosto 2007

- Julho 2007

- Junho 2007

- Maio 2007

- Abril 2007

- Março 2007

- Fevereiro 2007

- Janeiro 2007

- Dezembro 2006

- Novembro 2006

- Outubro 2006

- Setembro 2006

- Agosto 2006

- Julho 2006

- Junho 2006

- Maio 2006

- Links

- subscrever feeds